sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Giges

Altas e empoeiradas,
estas janelas ainda deixam passar alguma luz
ainda que distorçam a natureza cotidiana
do que transcorre lá fora.

Nas formas tremeluzentes e suas ambíguas ações,
o significado brota fecundamente de tamanha imprecisão.

As janelas podem ser maiores que suas paredes
se não soubermos precisar o desapego
necessário para deixar-se para trás
sem ter nossas dimensões rigidamente refletidas
na historicidade do tempo.

Andando contra multidões ou estoicamente habitando nas escolhas,
Cultivemos a gentileza, apesar da oceanicidade de nossas tristezas.

Nossas mãos estão mais calejadas do que antes.
É duro o ofício de velejar.

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Coletivo

Os ônibus vazios são as nossas catedrais,
baldeando-nos por entre o silêncio das cidades,
levando-nos para tão longe de onde queremos estar.

Semáforos imprimem uma cadência em nossas vidas
como portas de elevadores que tardiamente se fecham
sobre a janela estreita das possibilidades.

Comungamos com a subserviência aos relógios,
com seus braços impossivelmente longos,
com seus perímetros impossivelmente curtos.

As ruas entrecruzam-se sem se tocar.
As avenidas estreitam-se como vielas
atravessando anestesiadamente
a inerte geografia da solidão.

Os espaços entre os transeuntes
já não podem mais me comportar.
Desvio o dia de suas rotas retilíneas.

Eu aceito a minha sobriedade e a minha pequenez,
as diminutas dimensões de mim,
projetadas sobre a urbanicidade dos meios
e toda a humanidade dos fins.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Mnemosine está Perdida (Alzheimer)

Nuvens pairam sobre os olhos,
Cerram portas para o passado.
A tinta escorre das páginas dos livros,
Espessando as águas do esquecimento.

Os dias tornam-se circulares,
Centrípetos em sua natureza.

Tudo há de ser tomado.
Toda experiência desfeita.
O eco finalmente emudecerá o som.

Mnemosine está perdida,
Escondidas entre sonhos e fotografias
E as lembranças do amanhã

Las Vegas,
01/10/2018,
D


quarta-feira, 18 de julho de 2018

Volto Já

Os meus vestígios são os indícios de uma revolução.
De-mê um princípio ou um precipício ou uma absolvição.

Precisei ausentar-me da solidão que havia em mim.

Mas volto já com coisas raras,
Volto já com as vistas claras.

Se tudo desaguou em ti,
Por que haveria eu de mudar?

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Viação

O grande relógio da rodoviária perde um dia a cada ano.
O antigo ônibus acolhe mais um empoeirado em cada ponto.
Indas e vindas tão desconexas como nossas vidas.
Rodovias pavimentadas com a saudade sóbria dos que souberam não voltar.

Paguemos nossos tributos às estradas e suas longas procissões de placas e possibilidades
Pois a verdade não liberta, te acorrenta na inevitabilidade das circunstâncias.

As estradas foram feitas
Para os que souberam sonhar
E para os que souberam sofrer.

As distâncias se multiplicam entre nós.


segunda-feira, 30 de abril de 2018

Laticínios Metafísicos

Todas as ruas estão vazias.
A indiferença paira larga sobre nossas portas.
Mil olhos se fecham para que apenas um se abra.
Não há nada mais que a poesia possa dizer
Que nossas orações já não tenham perdido.

Toda nossa raiva se choca
Contra os paredões intransponíveis da esperança,
Mas abaixada a poeira,
Nenhuma pegada sobre a areia.

Insuflados como velas em direções contrárias,
Rumamos ao centro percorrendo perímetros.
Somos roedores dentro de jaulas,
Transfixados pela ideia do queijo
Que intuímos existir além.

Tão carente de por quês,
Desmaterializo-me em meio aos dias.
O meu peito está aberto às vicissitudes do mundo,
porém vazio para os mistérios da vida.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

O Último Barco Para Aman

Como milhares de barcos
Guiados por uma tênue crença,
Nosso diminuto brilho
É por mãos protegido,
Ainda que apequenado,
Dos ventos gélidos da indiferença.

Não ousemos mensurar o céu
Pela dimensão singela de uma única estrela.
Todo o sentido reside no espaço
Que se mutina e se aderna entre nós.

Ainda que estas luzes se apaguem,
As nossas rotas se complementarão.
Mãos que se unem na noite.
Faróis que sinalizam nossa própria amplidão.

Despedimo-nos das silhuetas do mundo,
Para no turbilhão destas águas
Encontramos juntos
Uma única direção.