segunda-feira, 9 de março de 2015

Macaé

Eu bato à porta pelo lado de dentro.
Penduro as chaves pelo lado de fora.
Este é apenas outro canto onde a poeira mora
e que insistem em chamar de meu.

Não estando lá, tampouco estou aqui,
a muitas milhas do lugar onde devo dormir.
Eu não quero ficar
E eu não sei como sair.

Pois chegar virou sinônimo de partir,
partir-me em migalhas
que ficam pelo caminho
para marcar a direção de casa.

"Aqui" é apenas uma variável
definida em função do tempo.
Já não sei mais se volto,
Já não sei mais se vou.

Por isso espero "aqui" sozinho,
pelo mês que me levará pra casa,
entre pastos e duplicações de via
transcorrem os meus últimos dias
nos quilômetros que separam
o Rio de Macaé